Grupo de trocas de vivências e apoio psicossocial a estudantes universitários em tempos de pandemia

Autores

  • Ana Rita Castro Trajano Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG)
  • Matheus Viana Braz Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG)
  • Larissa Moreira Batista Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG)
  • Carolina Dal-col Vianna Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG)
  • Fernanda de Souza Vilela Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG)
  • Thiago Oliveira da Silva Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG)

Palavras-chave:

Grupo Operativo, COVID-19, Saúde Mental, Estudantes

Resumo

Em 2020, após o desencadeamento da pandemia da COVID-19 e das exigências de distanciamento social definidas por autoridades sanitárias, observamos sucessivas queixas de ansiedades e angústias, oriundas da comunidade discente da universidade onde estamos inseridos. Logo, propusemos a realização de um grupo operativo, nomeado Grupo de Trocas de Vivências em tempos de pandemia, direcionado a estudantes universitários, com o objetivo de construir estratégias de apoio psicossocial com os participantes. O grupo, composto por sete estudantes, foi iniciado em junho de 2020, os encontros ocorreram semanalmente, de forma remota (on-line) e foi finalizado no mês de setembro de 2020. Tal dispositivo foi baseado nas contribuições de Pichon-Rivière, em diálogo com a Análise Institucional e a Psicossociologia. No presente artigo, são discutidos os nove principais temas que emergiram nos encontros, em contextos variados, ao longo dos meses em que transcorreu o projeto de extensão. Enfim, compreende-se o grupo como um espaço que favoreceu os processos de emancipação e construção de novas experiências, o que permitiu o acolhimento das demandas afetivas apresentadas pelos estudantes. Ademais, o grupo foi veículo de fortalecimento dos vínculos entre os estudantes, mesmo em tempos de isolamento social, o que proporcionou maior autonomia com relação às reflexões sobre o momento atual.

Referências

PICHON-RIVIÈRE, E. O processo Grupal. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

ENRIQUEZ, E. O papel do sujeito humano na dinâmica social. In: MACHADO, M. M.; CASTRO, E.; ARAÚJO, J. N. G.; ROEDEL, S. (org.) Psicossociologia: análise social e intervenção. Belo Horizonte: Autêntica, 1994. p. 27-43.

PICHON-RIVIÈRE, E.; QUIROGA, A. P. Psicologia da vida cotidiana. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

LOURAU, R. Análise Institucional. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

BAREMBLITT, G. Compêndio de Análise Institucional e Outras Correntes. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1992.

BARUS-MICHEL, J.; ENRIQUEZ, E.; LÉVY, A. (org.) Dicionário de Psicossociologia. Lisboa: Climepsi, 2004. p. 414-423.

OLIVEIRA, E. S.; FREIRE, P. Pichon-Rivière: aproximações conceituais em torno da Educação e da Psicologia. Revista Vozes em Diálogo, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, jul./dez. 2008. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/vozesemdialogo/article/view/925/856. Acesso em: 21 jan. 2021.

TRAJANO, A. R. C.; CARVALHO, R. A. A. Oficinas de Autogestão como produtoras de novas identidades laborais no contexto da Economia Solidária. In: TIRIBA, L.; PICANÇO, I. (org.). Trabalho e Educação: arquitetos, abelhas e outros tecelões da Economia Popular Solidária. São Paulo: Ideias & Letras, 2004.

TRAJANO, A. R. C. Trabalho e Identidade em novas configurações socioprodutivas: autogestão, 2002. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Belo Horizonte, 2002.

AFONSO, L. Oficinas em Dinâmica de Grupos: um método de intervenção psicossocial. Belo Horizonte: Edições do Campo Social, 2000.

GAYOTTO, M. L. C. O processo educativo segundo Paulo Freire e Pichon-Rivière. São Paulo: Vozes, 1991.

BRUM, E. Exaustos-e-correndo-e-dopados. El País Brasil., [S.l.], 4 jul. 2016.

MACRUZ, F. M. Jogos de Cintura. Belo Horizonte: Escola Sindical 7 de Outubro / CUT, 1995.

FABRO, A. M. et al. O relógio ou nós? Uma visão da invenção do tempo social na percepção político-cultural de Edward P. Thompson. Revista em Debate, Florianópolis, v. 17, p. 55-69, 2017.

ANTUNES, R. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Bomtempo, 2018.

GAULEJAC, V. Gestão como doença social: ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. Aparecida: Ideias & Letras, 2007.

BRAZ, M. V. Paradoxos do Trabalho: as faces da insegurança, da performance e da competição. Curitiba: Appris, 2019.

GAULEJAC, V. Travail, les raisons de la colère. Paris: Éditions du Seuil, 2011.

BRAZ, M. V. A pandemia de COVID-19 (SARS-CoV-2) e as contradições do mundo do trabalho. Revista Laborativa, São Paulo, v. 9, n. 1, p. 116-130, 2020.

GAULEJAC, V. Qui est « je » ? Sociologie Clinique du sujet. Paris: Éditions du Seuil, 2009.

SILVA, J. R. Hobbes e a pandemia hipotética no Leviatã: entre a liberdade e a segurança. Investigação Filosófica, Macapá, v. 11, n. 2, p. 5-12. 2020.

DAMATTA, R. Antropologia da Saudade. Rio de Janeiro: Rocco, 1993.

ALMEIDA, S. L. Racismo Estrutural. São Paulo: Sueli Carneiro, Pólen, 2019. (Coleção Feminismos Plurais).

AKOTIRENE, C. Interseccionalidade: feminismos plurais. São Paulo: Sueli Carneiro, Pólen, 2019.

TRAJANO, A. R. C. O trabalho no SAMU e a Humanização do SUS: saberes - atividade - valores. Saarbrücken, Germany: Novas Edições Acadêmicas, 2013.

TARNOWSKI, M.; CARLOTTO, M. S. Síndrome de Burnout em estudantes de psicologia. Temas em Psicologia, Ribeirão Preto, v. 15, n. 2, p. 173-180, 2007.

BARROS, R. B. Grupo: a afirmação de um simulacro. Porto Alegre: UFRGS, 2007.

BLEGER, J. Temas de Psicologia: entrevista e grupos. São Paulo: Martins Fontes, 1980.

Downloads

Publicado

2021-06-30

Como Citar

Castro Trajano, A. R., Viana Braz, M., Moreira Batista, L., Dal-col Vianna, C., de Souza Vilela, F., & Oliveira da Silva, T. (2021). Grupo de trocas de vivências e apoio psicossocial a estudantes universitários em tempos de pandemia. Revista De Extensão Da UPE, 6(1), 12–26. Recuperado de https://www.revistaextensao.upe.br/index.php/reupe/article/view/98