Direitos sexuais e reprodutivos no contexto da saúde da mulher

Autores

Palavras-chave:

Saúde da mulher, Direitos sexuais e reprodutivos, Educação em saúde, Educação sexual

Resumo

Introdução: A luta pelo reconhecimento dos direitos sexuais e reprodutivos, sobretudo das feministas, visa desvincular a abordagem demográfica no controle da natalidade, assegurando o direito de acesso a informações, meios e métodos anticoncepcionais e o direito de exercer a sexualidade e a reprodução livre de discriminação, imposição e violência. Pensando nisso, a extensão Pelo Direito de Decidir trás temas de grande relevância à saúde da mulher promovendo debates e palestras educativas em saúde. Objetivo: Esse trabalho teve como objetivo principal trazer a importância da educação em saúde, o enriquecimento e empoderamento da mulher sobre seu corpo e seus direitos básicos, como educação sexual. Método: Trata-se de um estudo qualitativo, descritivo, do tipo relato de experiência, que partilha um ciclo de vivências práticas a fim de contribuir para outras situações semelhantes. Resultados: Os resultados obtidos nas práticas dos anos de 2019 e 2020, captaram o sexo dos participantes das palestras e o número de preservativos distribuídos ofertados pelo Sistema Único de Saúde. Conclusão: Apesar das notórias conquistas relacionadas aos direitos sexuais e reprodutivos no Brasil, é de extrema importância fazer com que o tema seja amplamente discutido ainda durante a graduação, com o objetivo de proporcionar uma transformação na qualificação dos futuros profissionais a fim de difundir e implementar os referenciais teóricos nas práticas de saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CARVALHO, J. M. R.; MONTEIRO, S. S. Visões e práticas de mulheres vivendo com HIV/aids sobre reprodução, sexualidade e direitos. Cadernos de Saúde Pública, São Paulo, v. 37, n. 6, p. 1-11, jun. 2021.

MARQUES, P. F. et al. Saúde sexual e reprodutiva: interfaces do feminismo com a enfermagem. Revista Baiana de Enfermagem, Salvador, v. 27, n. 2, p. 135-45, ago. 2013.

BRASIL. resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Brasil, 2012. Disponível em:https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html. Acesso em: 25 Ago 2021.

MCLEAN, M.; ABUELAISH, I. Access to reproductive health care services in countries of conflict: the double impact of conflict and COVID-19. Med Confl Surviv, London, v. 36, n. 4, 2020. Canadá. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/13623699.2020.1832724. Acesso em: 25 ago. 2021.

BRASIL. Lei nº 13.979, de 6 de fevereiro de 2020. Brasília, 2020. Disponível em:https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/lei-n-13.979-de-6-de-fevereiro-de-2020-242078735. Acesso em: 25 ago. 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Como se proteger? Brasília, 2021. Disponível em:https://www.gov.br/saude/pt-br/coronavirus/como-se-proteger. Acesso em: 25 Ago 2021.

Downloads

Publicado

22.12.2021

Como Citar

Pontes, A. F., Barbosa, A. K. da S. ., Pessoa, A. C. W. ., Lima, M. E. X. do R. ., Leuthier, K. de H. ., Rodrigues, N. A. ., & Spinelli, M. B. A. da S. . (2021). Direitos sexuais e reprodutivos no contexto da saúde da mulher. Revista De Extensão Da UPE, 6(2), 49–54. Recuperado de https://www.revistaextensao.upe.br/index.php/reupe/article/view/265