Representações de adolescentes candomblecistas de Olinda-PE sobre papeis de gênero

Autores

  • Douglas Batista de Oliveira Universidade de Pernambuco
  • Simonelly Ferreira Vilela Universidade de Pernambuco
  • Kalina Vanderlei Silva Universidade de Pernambuco

Palavras-chave:

Adolescente;, Gênero e saúde;, Identidade de Gênero

Resumo

Introdução: Utilizando características biológicas que distinguem corpos masculinos e femininos como argumentos para produzir assimetrias entre os sexos, as diversas culturas e sociedades estabelecem lugares e papeis específicos a serem ocupados por homens e mulheres, produzindo os gêneros. O gênero, em intersecção com outros marcadores, forma múltiplas feminilidades e masculinidades. Sendo assim, para que seja possível uma compreensão da dinâmica social, torna-se importante investigar cada um desses cruzamentos, especialmente na adolescência, período em que a elaboração das identidades ganha destaque. Neste estudo, a investigação se deteve sobre os adolescentes candomblecistas, pois a inserção nessa religião oferece a eles um conjunto específico de representações sobre os gêneros que integram a realidade dessa prática religiosa. Objetivo: compreender as representações dos papeis de gênero elaboradas por adolescentes praticantes do candomblé do município de Olinda (PE). Material e métodos: pesquisa de campo de abordagem qualitativa e natureza interdisciplinar realizada através de observações participantes em dois terreiros de candomblé do município de Olinda e entrevistas semiestruturadas individuais com dez adolescentes candomblecistas que frequentavam os referidos terreiros. A análise dos dados obtidos durante a coleta foi orientada pelas contribuições da Análise do Discurso e da Teoria das Representações Sociais. Resultados e discussão: Os adolescentes entrevistados mencionaram desenvolver diversas atividades reguladas pelo gênero durante as cerimônias do grupo religioso, como o toque de instrumentos, o sacrifício de animais e a preparação dos alimentos. Por conta de fundamentos míticos que estão no cerne desses papeis de gênero, houve pouca problematização dos adolescentes em relação a essa distinção. Ainda assim, ocorrências de flexibilizações sutis nessas tradições foram relatadas e representadas de forma positiva pelos adolescentes. Em relação ao resto da sociedade, a problematização das diferenças de papeis de gênero ocorreu de forma mais incisiva, havendo críticas dos adolescentes em relação às desigualdades existentes entre homens e mulheres nos relacionamentos afetivos, nos espaços públicos e domésticos, bem como no mercado de trabalho. Os participantes apontaram que discussões sobre as relações de gênero são frequentemente levantadas nas suas instituições de ensino, nos recursos midiáticos que têm acesso e no próprio espaço religioso. Considerações finais: Os participantes reconheceram a existência de posições e papeis tradicionalmente impostos a homens e mulheres, criticaram-nos e apontaram a ocorrência de transformações sociais, inclusive dentro do próprio grupo religioso, ainda que de forma incipiente. O acesso desses adolescentes a diferentes discussões sobre as relações de gênero possibilita que eles possam construir novas representações sobre a realidade e os capacita para transformar as relações nos meio sociais em que vivem. 

Biografia do Autor

Simonelly Ferreira Vilela, Universidade de Pernambuco

Mestra em hebiatria pela Universidade de Pernambuco, Graduada em enfermagem pela Universidade Federal de Pernambuco.

Kalina Vanderlei Silva, Universidade de Pernambuco

Doutora em História pela Universidade Federal de Pernambuco, professora adjunta da Universidade de Pernambuco.

Downloads

Publicado

2021-04-22

Como Citar

Batista de Oliveira, D., Ferreira Vilela, S., & Vanderlei Silva, K. (2021). Representações de adolescentes candomblecistas de Olinda-PE sobre papeis de gênero . Revista De Extensão Da UPE, 6(Suplemento 1), 102–103. Recuperado de https://www.revistaextensao.upe.br/index.php/reupe/article/view/151